×

Saúde

Quais substâncias químicas mais prejudicam os cabelos?

Algumas substâncias químicas presentes em cosméticos capilares podem ser prejudiciais à saúde e danificar os cabelos.

Cuidados necessários com uso de substâncias químicas (Foto: Reprodução)

É importante saber se há compostos com potencial risco para os cabelos ou para o organismo, seja em cosméticos de uso rotineiro ou em produtos para realização de tratamentos químicos.

Publicidade

A avaliação das substâncias químicas deve considerar os estudos sobre o tema, diretrizes de órgãos oficiais, como a Anvisa, e a opinião da comunidade médica. Entenda melhor a seguir.

Substâncias químicas em tratamentos capilares

Os procedimentos químicos envolvem produtos usados para mudar características como formato ou cor do cabelo.

Porém, muitos desses tratamentos são baseados em substâncias químicas que podem ser danosas à saúde e também a qualidade e estrutura dos fios. Alguns deles são:

Formaldeído

O formaldeído, conhecido popularmente como formol, só pode estar presente em produtos cosméticos em uma concentração máxima de 0,2% de acordo com a Anvisa. Acima dessas quantidades, o formol é proibido no país.

O problema é que nessa concentração, a substância não tem poder alisante, atuando somente como conservante.

Com isso, produtos cosméticos para alisar ou outros fins que tenham concentrações superiores aos 0,2% de formol são clandestinos e não podem ser comercializados.

Alguns efeitos colaterais resultantes do uso de formol incluem queda de cabelo, feridas no couro cabeludo, queimaduras químicas, doenças respiratórias e até mesmo câncer.

Soda cáustica

Muitas mulheres não sabem, mas a soda cáustica, conhecida pelos usos em processos industriais e limpeza pesada, também é usada em alguns alisantes capilares.

Tanto a soda cáustica, também conhecida como hidróxido de sódio, como o hidróxido de potássio são substâncias químicas corrosivas que podem ser encontradas em cosméticos capilares.

Dependendo de suas concentrações no produto, o contato dessas substâncias com a pele resulta em uma série de efeitos colaterais, como coceira, vermelhidão, descamação, inchaço, dor de cabeça, queimação e ardência.

Se o contato for recorrente, como no caso de profissionais de estética, os problemas são ainda mais graves e incluem irritação da garganta e coceira nasal, problemas nos pulmões, tosse, ardência nos olhos e falta de ar.

De acordo com as diretrizes da Anvisa, a soda cáustica pode ser comercializada no Brasil em uma concentração máxima de até 2% em produtos não profissionais e 4,5% em cosméticos de uso profissional.

Amônia

A amônia é uma substância química alcalina, o que faz com que ela seja responsável por abrir as escamas da cutícula dos fios, permitindo a penetração de outros agentes como pigmentos de tinta, alisantes e a água oxigenada.

Além disso, a substância também é um catalisador, o que significa que ela acelera as reações dos demais agentes usados conjuntamente dentro da fibra capilar.

Os danos do uso da amônia são diversos, como enfraquecimento e quebra dos fios. Além disso, a substância pode causar problemas como ardência, alergias, queimaduras e cicatrizes quando em contato com o couro cabeludo.

No longo prazo, a exposição à amônia, principalmente ao vapor, pode resultar em problemas pulmonares permanentes.

Substâncias químicas em produtos capilares de uso diário

Muitas pessoas preocupam-se apenas com as substâncias químicas presentes em tratamentos capilares, mas se esquecem de que os cosméticos de uso diário também podem conter itens prejudiciais aos cabelos e à saúde em geral.

Os xampus, condicionadores, finalizadores, máscaras capilares, géis e outros, muitas vezes, reúnem diferentes substâncias danosas. Conheça as principais:

● Sulfatos: são detergentes químicos responsáveis pela limpeza do fio removendo óleo e sujeira. O problema é que alguns surfactantes acabam estragando o cabelo por remover excessivamente a oleosidade do fio, tornando ressecado e quebradiço;

● Parabenos: são substâncias presentes em diversos cosméticos capilares ou corporais. Esses compostos se acumulam no corpo, tendo sido encontrados por pesquisadores inclusive em células do câncer de mama;

● Petrolato: trata-se de um hidratante de baixo custo, o que o torna extremamente comum em cosméticos capilares. Para serem removidos dos fios, eles precisam de produtos fortes, como os sulfatos do grupo lauril, capazes de causar prejuízos como ressecamento capilar e quebra do fio;

● Fragrância: dê preferência aos produtos que usam óleos naturais, pois mais de 3.100 substâncias químicas diferentes são usadas com o objetivo proporcionar um cheiro agradável, sendo muitas delas danosas à saúde;

● Triclosan: é um substância usada como conservante de cosméticos capilares e também como antibacteriano e antifúngico. Apesar de ser autorizado para uso, ainda há dúvidas sobre  possíveis distúrbios imunológicos, perda de peso, alterações celulares e endócrinas associados ao seu uso;

● Diazolidinil urea: usada para conservação dos cosméticos, pode causar dermatite, além de liberar formaldeído no uso.

Qual o perigo de se usar produtos químicos para cabelos?

Existem diferentes substâncias presentes em tratamentos capilares ou mesmo em cosméticos do dia a dia que exigem atenção, pois estão relacionadas a problemas de saúde e no cabelo em si.

Seja em decorrência do uso de produtos danosos aos cabelos ou por outros motivos, caso se identifique sintomas como queda de cabelo, coceira no couro cabeludo, queimaduras ou cicatrizes é fundamental buscar um médico especialista em cabelos o quanto antes.

A saúde capilar requer cuidados como qualquer outra parte do corpo. Portanto, é preciso aprender a cuidar e a tratar do seu cabelo como ele precisa e merece.

Comentários