×

Publicidade

Polícia

Mulher encontrada decapitada na AM-010 é reconhecida pela família

Jainy Michely foi decapitada em ramal na AM-010. (Foto: Divulgação)

Após enorme repercussão pela imprensa do corpo de uma mulher encontrado decapitado e com marcas de tiros na manhã de segunda-feira (5), no Ramal Francisca Mendes, no quilômetro 80 da Rodovia AM-010, que liga Manaus a Rio Preto da Eva, familiares reconheceram o corpo como sendo da doméstica Jainy Michely Santos, 25, na manhã desta terça-feira (6), por volta das 10h, no Instituto Médico Legal (IML), na Zona Norte da capital.

Jainy Michely é irmã de José Isaque Santos da Silva, conhecido como ‘Trem Bala’, 23, um dos envolvidos de participar do assassinato do soldado da Polícia Militar (PM), Paulo Sérgio da Silva Portilho, 34, encontrado enterrado na tarde sexta-feira (2), em uma área de invasão denominada ‘Buritizal Verde’, na Zona Norte da cidade. O cadáver da mulher foi reconhecido pela tatuagem no formato de ‘estrela’, próximo à virilha e por uma pulseira vermelha no braço esquerdo, de uma igreja evangélica da qual a Jainy participava.

Jainy Michely estava grávida de quatro meses e era mãe de quatro filhos. (Foto: Arte/Diário Manauara)

Ao Diário Manauara, familiares disseram que Jainy Michelly estava grávida de quatro meses e era mãe de quatro filhos. Ela desapareceu após receber uma ligação do irmão, que estava sendo procurado, pelo envolvimento na morte do policial militar Paulo Portilho.

“Após receber a ligação de Isaque, ela saiu de casa e foi ao encontro do irmão. Ela tinha intenção de convencê-lo a se entregar à polícia, mas infelizmente ela e o irmão foram barbaramente assassinados”, disse uma parente das vítimas, que preferiu manter o nome em sigilo.

Os corpos de Jainy Michely, José Isaque e do outro homem, que também foi encontrado em um ramal sem cabeça e nu, permanecem no Instituto Médico Legal (IML) até que seja realizado um exame de DNA para confirmar a identificação, já que as cabeças ainda não foram localizadas.

Na tarde desta terça-feira (6), por volta das 14h, familiares e amigos fizeram uma manifestação no cruzamento das Ruas O e P, no bairro Armado, Zona Leste para pedir resposta da polícia e justiça. O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Publicidade

Comentários