×

Esportes

Atleta amazonense constrói carreira nos Estados Unidos

Há 11 anos praticando Jiu-jítsu e cinco pódios internacionais, Rodrigo Oliveira, é promessa de medalha nos Estados Unidos, onde se prepara mais competições. Longe do cuidado dos pais e se aventurando numa vida profissional de muita luta, atualmente mora em Miami, no estado da Flórida, e treina na academia do renomado campeão Roberto ‘Cyborg’ Abreu.

Seu primeiro mundial na faixa marrom, na Califórnia, Rodrigo conseguiu ficar com o bronze - foto: arquivo/pessoal

Seu primeiro mundial na faixa marrom, na Califórnia, Rodrigo conseguiu ficar com o bronze – foto: arquivo/pessoal

Publicidade

Aos 25 anos, o atleta, se destaca na modalidade ‘sem kimono’. Desde criança praticava esportes, quando teve a oportunidade de ingressar na academia de lutas márcias. Ativo e sempre disposto a realizar seus sonhos iniciou no esporte aos 14 anos de idade, influenciado por amigos da escola. Treinava três vezes por dia e nas férias chegava a frequentar o tatame em quatro longos treinos.

No começo tudo parecia um hobby, uma brincadeira, o que no futuro se tornaria a sua profissão.

“No começo era tudo diversão, e hoje, ao passar do tempo, vejo que se tornou amor. Depois que terminei a escola e entrei para a faculdade tive que conciliar estudos, trabalho e treinos. Percebi que o que era um passatempo poderia se tornar algo profissional”, destacou o atleta ao lembrar-se da fase inicial.

Rotina

Ao concluir o nível superior a rotina do atleta se tornou conturbada, pois, para manter-se, iniciava o trabalho por volta das 5h, e chegava à sua casa por volta das 23h, o que impossibilitava focar nos treinos diários, e posteriormente resultando no seu baixo rendimento. Após alguns anos, resolveu abandonar a rotina desgastante para se dedicar integralmente ao Jiu-Jítsu.

“Nessa época, larguei o trabalho, deixei família e amigos para trás e resolvi mudar para os EUA, com o sonho de disputar o Campeonato Mundial de Jiu-jítsu na Califórnia pela primeira vez”, destacou Rodrigo.

Ao se lembrar da família como um alicerce, emocionado o atleta disse: “A intenção era ficar apenas cinco meses, porém, oportunidades foram surgindo e as coisas foram melhorando. Mas o que me sustenta mesmo é saber que a minha família apoia meu sonho e confia em mim.”, completou.

Pódios

Seu primeiro mundial na faixa marrom, na Califórnia, conseguiu ficar com o bronze, perdendo para o campeão da divisão numa semifinal muito difícil. Em seguida disputou alguns Opens da International Brazilian Jiu Jitsu FEderation – IBJJF, a maior e mais conhecida entidade do esporte no mundo. Foi bronze no Pan-Americano, sem kimono, e no ano passado foi Vice Campeão do American National, sem kimono (Campeonato Nacional Norte Americano), Terceiro lugar do American National, em Las Vegas, e Vice Campeão Pan-Americano, sem kimono, em Nova York.

Rodrigo destaca que todo o sonho pode virar realidade quando lutamos por ele.

“Atualmente estou vivendo meu sonho e correndo todos os dias atrás dos meus objetivos aqui nos EUA. Não possuo patrocínio de ninguém, recebo pouco incentivo financeiro de alguns amigos e familiares, mas não deixo de acreditar e ter esperanças que um dia irei chegar ao lugar que tanto almejo”, finalizou o atleta amazonense.

Principais títulos conquistados no amazonas:

O atleta amazonense há 11 anos vem conquistando medalhas sem patrocínio - foto: arquivo/pessoal

O atleta amazonense há 11 anos vem conquistando medalhas sem patrocínio – foto: arquivo/pessoal

Tri-campeão do Campeonato Amazonense; Tri-campeão da Copa Osvaldo Alves; Bi-campeão da Copa Artur Neto; Melhor do Ano – FJJAM (Federação de Jiu-jítsu do Amazonas) – Em 2013 e 2014; Campeão do Manaus Internacional Open, e Tri-campeão do Rio Internacional Open.

Principais Títulos conquistados nos EUA:

Vice-campeão do Boca Raton Internacional Open (Boca Raton – FL); Tri-campeão Mundial de Jiu-jítsu (Long Beach – CL); Tri-campeão do Pan Americano No-Gi (Nova Iorque 2015); Tri-campeão do Miami Internacional Open (Miami -FL), e Vice-campeão do Pan Americano No-Gi (Nova Iorque 2016).

Comentários