×

Publicidade

Cidades

Amazonas participa de relatório para Fórum Econômico Mundial

As propostas foram apresentadas durante debate do Davos Lab, com as executivas Luciana Minev, Fabiana Carioca e mediação de Geyce Ferreira

Davos Lab Manaus (Foto: Divulgação)

Manaus (AM) – Quando o Brasil apresentar o Plano de Recuperação do País pós Covid-19 na reunião especial do Fórum Econômico Mundial, que acontece em Cingapura, em agosto deste ano, o Amazonas vai estar presente a partir das propostas debatidas durante o Davos Lab Manaus, com as executivas Luciana Minev, Fabiana Carioca e mediação de Geyce Ferreira. Por meio da comunidade Global Shapers, a iniciativa busca inspirar, capacitar e conectar jovens para refletir sobre os problemas mais urgentes enfrentados atualmente.

Publicidade

Com o tema “Reimaginando a Liderança: Das Crises surgem Grandes Líderes”, foram abordadas competências voltadas para “Riscos e Oportunidades”, “Ideias e Soluções”, “Parcerias e Possíveis Caminhos” e “Insights e Percepções”. Segundo Geyce Ferreira, membro da Global Shapers Manaus, os diálogos realizados até o último sábado (27) vão gerar um relatório do Brasil, com dados colhidos em todos os estados participantes, assim como em mais de 150 países.  

“Vamos apresentar os relatórios com ideias de futuro, sobre o que as jovens lideranças do Brasil, com visões locais de cada estado, acreditam que serão as ações que temos que ter para que haja as mudanças que estamos buscando a partir da experiência da pandemia”, afirma Geyce Ferreira.

Luciana Nogueira Minev, fundadora e diretora executiva da Singulari, destaca que uma nova liderança é transformada e adaptada conforme a realidade e aspectos que ajudam na comunicação, como verdade, humildade e esperança, além da habilidade de resolver problemas complexos. Ela explica que os líderes munidos de competências socioemocionais vão ser mais assertivos nas tomadas de decisões, uma vez que a gestão emocional se tornou cada vez mais relevante nos contextos estratégicos.  

“As lideranças empresariais que trabalham baseadas em propósitos e têm um olhar para pessoas estão conseguindo atravessar essa fase com a energia necessária”, comenta a executiva.

Para ela, trabalhar em rede vai trazer melhores resultados para as organizações, que também precisam se posicionar com base nos três pilares: quem somos (propósito, cultura e valores), como operamos (decisões, talentos e estrutura) e como crescemos (ecossistema, aprendizado e plataformas).

“Estamos caminhando para uma liderança mais humana, não sabemos como ela vai ser, mas é possível identificar os elementos que estarão lá, como inteligência emocional, empatia e resiliência”, avalia Luciana Minev.

Fabiana Carioca, advogada e sócia da Azevedo Feitosa Advogados Associados e presidente do Grupo de Apoio Voluntário e Centro Popular de Cultura da Legião Franciscana, reforça que uma boa liderança demonstra resiliência e competências para lidar com as incertezas ao mesmo tempo que entrega resultados. Ela aponta que o desenvolvimento de comunidades fortes é vital para a formação de novos líderes e as escolas de negócios precisam levar para a academia jovens lideranças mais comunitárias e conscientes das demandas da sociedade.

“A sociedade civil precisa buscar lideranças em microssistemas locais, em cada bairro e famílias, o grande impacto da nova liderança está no potencial e desenvolvimento do jovem. É preciso usar as ferramentas disponíveis para buscar oportunidades”, garante a advogada. “É hora de convocar a população para que ela busque se mobilizar e contribuir para a transformação da realidade. É preciso que cada um assuma o seu papel ativo na sociedade”.

O conteúdo do Davos Lab Manaus está disponível no canal do projeto no Youtube (@davoslab). Mais informações podem ser obtidas também no Instagram da Global Shapers Manaus (@globalshapersmanaus).

*Com informações da assessoria

Comentários

error: Content is protected !!