×

Mundo

“A russofobia está relacionado a própria história” diz especialista

O professor destacou que o que falta para acontecer uma 3º guerra mundial é a Rússia atingir outro país

Dr. Fabiano de Abreu (Foto: Divulgação)

O convidado da BM&C News foi o Prof. Dr. Fabiano de Abreu Agrela, PhD em neurociência, historiador e antropólogo, ao analisar os desdobramentos do conflito entre Rússia e Ucrânia, nessa segunda-feira (14), destacou que ainda levará um tempo para a guerra chegar ao fim.
O professor afirmou que existe a questão nuclear em que o mundo teme, levando em consideração que a Rússia e seus aliados têm armamento nuclear pesado. “O mundo Ocidental tem receio como um todo”, disse.

Nesse sentido, Agrela pontuou que estamos vivendo na era das mídias sociais, a era em que todos se preocupam em manter seu posto de liderança. “Existe uma preocupação muito maior nas decisões que se vai tomar hoje, do que era ultimamente por causa da opinião pública”, destacou.

Possível 3º guerra mundial

Publicidade

Ainda em participação no BM&C News, Fabiano de Abreu Agrela, ressaltou que falta apenas a Rússia atingir um outro país para acontecer uma 3ª guerra mundial.

Assim como, houveram alguns acontecimentos envolvendo outros países, como o jornalista americano morto na Ucrânia e um ataque russo contra base militar próximo a Polônia, citou o professor como possíveis questões que podem ocasionar problemas maiores.

No entanto, o professor destacou que é nítido que o Putin está indo devagar, por também ter os seus receios. E completou dizendo que o ódio contra a Rússia, ou russofobia, faz parte de um histórico que vem desde a União Soviética:

“Na era Stalin foram milhões de mortes, após o fim da segunda guerra mundial, milhares de alemãs estupradas pelas tropas soviéticas, séculos de guerras e agora a invasão à Ucrânia. Aqui na Europa, alguns estão envolvidos com máfia, assim como há a máfia russa nos Estados Unidos. Não podemos generalizar, claro, mas há fatos que fazem o mundo criar uma ideia sobre o país.” diz o antropólogo.

Confira a análise na íntegra: https://www.youtube.com/watch?v=jonNkjaVJaM

Comentários