×

Publicidade

CidadesPolícia

Lavador de carros é morto com tiro na cabeça, no bairro Novo Aleixo

Joilson, o 'Chuck', foi morto com um tiro na cabeça no bairro Novo Aleixo, Zona Norte de Manaus - foto: Lucas Pereira

Joilson, o ‘Chuck’, foi morto com um tiro na cabeça no bairro Novo Aleixo, Zona Norte de Manaus – foto: Lucas Pereira

O lavador de carros Jailson Ribeiro Franco, conhecido como ‘Chucky’, 22, foi morto com um tiro na cabeça, no momento em que saia de casa para encontrar os amigos. O crime aconteceu por volta das 19h de quinta-feira (27), próximo a rotatória do Núcleo 23, na esquina entre as ruas 253 e Rio Jordão, bairro Novo Aleixo, Zona Norte de Manaus.

Segundo relatos de Pâmela Souza, 17, que trabalha em um lanche, no momento do crime, ela atendia um cliente, quando vários disparos de arma de fogo foram efetuados vindos de um carro vermelho, placa não identificada, que fugiu em alta velocidade.

“Foi tudo muito rápido, pois cheguei a imaginar que fossem fogos de artifício, mas logo se aglomerou uma multidão em torno do rapaz caído no chão já morto”, disse.

Familiares bastante abalados compareceram ao local do crime. A irmã de criação da vítima, a autônoma Isa Pereira de França, 33, disse que desconhece se ‘Chucky’ vinha recebendo ameaças de morte. Segundo ela, a vítima já tinha passagem pela polícia por tráfico de drogas.

“Não temos ideia quem possa ter cometido o crime. O ‘Chucky’ era uma pessoa muita reservada e não comentava com ninguém da família se estava com problemas. Ele já havia sido preso por tráfico de drogas, mas não sabemos se o crime está relacionado a dívidas, pois ele atualmente trabalhava como lavador de carros”, explicou Isa Pereira.

O local do crime foi isolado pela 27ª Companhia Interativa de Polícia (Cicom). Moradores da área se limitaram a comentar o assassinato.

A perícia criminal do Departamento de Polícia Técnico-Científica (DPTC) confirmou que a vítima morreu com um tiro na cabeça.

O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). O caso foi registrado na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), mas até o momento os atiradores não foram identificados.

Publicidade

Comentários