×

CidadesSaúde

Em Manaus, menino de dois anos morre em hospital após contrair tipo raro de meningite

 A meningite haemophilus foi confirmada através de um exame laboratorial - foto: divulgação

A meningite haemophilus foi confirmada através de um exame laboratorial – foto: divulgação

Vicente Monte Neto, de dois anos e nove meses, morreu na madrugada desta sexta-feira (11), em uma unidade de saúde da Unimed, em Manaus, após contrair meningite Haemophilus Inluenzae (HiB), um tipo raro da doença. O caso foi confirmado pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM).

Publicidade

A FVS informou que esse foi o primeiro caso com morte registrada no Amazonas de meningite do tipo haemophilus. De acordo com órgão, a etiologia da doença é rara em função de que está disponível na rede pública de saúde a vacina pentavalente, que inclui o combate a esta bactéria.

Conforme o levantamento da FVS, foram registrados no estado do Amazonas, em novembro deste ano, 115 casos de meningite, com 28 mortes. Em 2015, o órgão registrou 175 casos da doença, sendo dois por meningite haemophilus, nos municípios de Guajará e Tefé. Ao todo, 33 morreram.

Em nota, a Secretaria Miunicipal de Saúde (Semsa) informou que, após a confirmação da morte da criança, ações de investigação epidemiológica foram iniciadas, assim como às medidas de bloqueio do avanço da doença, pelo Departamento de Vigilância Epidemiológica (DVAE) do município.

Também por meio de nota, a escola creche Vida, onde Vicente estudava, lamentou a morte do pequeno e informou que durante a tarde foi realizada uma reunião com a equipe da FVS e pais dos alunos, para esclarecimentos e orientações sobre a doença.

A empresária Michele Lima, contou que o filho também apresenta sintomas da doença semelhantes. Segundo ela, a criança está com dificuldade para mexer a cabeça.

“Depois que fiquei sabendo da morte do Vicente, passei a ficar mais preocupada com os sintomas que o meu filho vem apresentando”, disse.

Conforme o levantamento da Semsa, Vicente estava com as vacinas atualizadas e desde o dia 4 de novembro não assistia as aulas. Segundo os pais da criança, os primeiros sintomas de febre e vômito ocorreram no domingo (6).

A Semsa ressaltou que os pais das demais crianças da creche participaram de uma palestra e, que os alunos e a professora receberam ações de quimioprofilaxia. Nesse sábado (12), será realizada a quimioprofilaxia também na família. As atividades seguem os protocolos de conduta preconizados pelo Guia de Vigilância do Ministério da Saúde.

A Semsa descartou que não há suspeita de um surto da doença ou agregado de casos, uma vez que os registros da doença estão dentro da média no período.

 

Comentários