×

CidadesPolícia

Dupla em moto executa motorista com 12 tiros na frente de filho de sete anos

Wallace ainda foi levado ao HPS Dr. Platão Araújo, mas não resistiu aos ferimentos - foto: divulgação/Facebook

Wallace ainda foi levado ao HPS Dr. Platão Araújo, mas não resistiu aos ferimentos – foto: divulgação/Facebook

O motorista Wallace Gonçalves de Almeida, 33, foi executado com 12 tiros de arma de fogo, na frente do filho de sete anos. A vítima falava ao celular, quando foi surpreendida por dois homens em uma motocicleta. O crime ocorreu por voltas das 17h20, de sexta-feira (21), na Rua Alfazema, Comunidade João Paulo 2, bairro Jorge Teixeira, Zona Leste de Manaus.

Publicidade

De acordo com as informações de investigadores da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Wallace estava fazendo uma ligação em frente da casa devido à dificuldade do sinal de telefonia. Ele caminhou a alguns e metros de casa, quando foi surpreendido por dois homens, sem capacete, em uma motocicleta e atingido por 12 tiros.

Após o crime, os criminosos fugiram sem serem identificados tomando rumo ignorado. Ferido, Wallace foi socorrido e levado por vizinhos e familiares para Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Dr. Platão Araújo, mesma zona da cidade, mas morreu ao chegar à unidade hospitalar.

À polícia, familiares informaram que Wallace estava recebendo ameaças de morte cerca de duas semanas depois de ter defendido um amigo em uma briga durante uma partida de futebol na própria comunidade.

Ao Diário Manauara, moradores, que pediram para preservar o nome por medo de represálias, disseram que Wallace era envolvido com o tráfico de drogas e já teria sido advertido por um traficante da área.

Wallace trabalhava como motorista de ônibus do transporte executivo, da linha 844, do bairro Nova Cidade. A vítima era casado e deixou três filhos de sete, oito e 14 anos.

Em consulta ao site do Tribunal de Justiça do Amazonas (Tjam), consta que Wallace respondia por porte de arma de fogo de uso restrito e furto.

O corpo da vítima foi removido para o Instituto Médico Legal (IML). O caso foi registrado no 14º Distrito Integrado de Polícia (DIP), mas as investigações serão conduzidas pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Comentários