×

CidadesPolícia

Bando envolvido na morte de líder comunitária é preso; jovem desaparecido na abordagem policial foi um dos atiradores, diz polícia

Os cinco presos foram indiciados pelo homicídio de Rosenira Souza e por atuarem em organização criminosa envolvida em homicídio, tráfico de drogas, roubos, adulteração de sinais de veículo automotor, dentre outros crimes - foto: Erlon Rodrigues/assessoria/Polícia Civil

Os cinco presos foram indiciados pelo homicídio de Rosenira Souza e por atuarem em organização criminosa envolvida em homicídio, tráfico de drogas, roubos, adulteração de sinais de veículo automotor, dentre outros crimes – foto: Erlon Rodrigues/assessoria/Polícia Civil

Ronaldo Maricaua Flores, conhecido como ‘MK’, 33, Wilson Castro da Silva, 22, o irmão dele, Frank Relle Castro da Silva, vulgo ‘Lulu’, 21, Alex Sandro Washington dos Santos, o ‘Alex Colombiano’, 21, e Márcia da Cruz Castelo, 42, foram apresentados na manhã desta quinta-feira (10), no prédio da Delegacia Geral, bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste, por envolvimento na morte da líder comunitária Rosenira Soares de Souza, 47, ocorrido na madrugada do dia 27 de julho deste ano, na Rua Jefferson Péres, Comunidade Nova Vitória, bairro Gilberto Mestrinho, Zona Leste de Manaus.

Publicidade

As prisões dos envolvidos ocorreram simultaneamente em Manaus e Boa Vista em cumprimento a mandados de prisão preventiva expedidos no dia 7 de outubro deste ano, pela juíza Mirza Telma de Oliveira Cunha, titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri.

De acordo com o titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), delegado Ivo Martins, Ronaldo Maricaua, considerado o líder de um grupo criminoso que atua na Comunidade Nova Vitória, em Manaus, foi preso na última terça-feira (8), por volta das 13h, em uma residência localizada na Rua Uirapuru, bairro São Bento, em Boa Vista (RR), com apoio de agentes do Departamento de Inteligência (Deint) da Secretaria de Segurança Pública do Estado de Roraima (Sesp-RR).

Com ‘MK’ foram apreendidos R$ 20 mil em espécie, que estava enterrado no quintal do imóvel onde ele morava, 14 celulares, um veículo modelo Prisma, cor vermelha e placa PHE – 4517, além de documentos falsos utilizados por Ronaldo e chips de celular.

Em Manaus, as prisões ocorreram por volta das 16h daquele mesmo dia, com as interceptações dos irmãos Wilson e Frank Relle, na Rua 11 de Agosto, Comunidade Nova Vitória, Zona Leste. Com Wilson os policiais encontraram um revólver calibre 38 com 10 munições intactas. De acordo com o infrator, a arma foi utilizada para matar a líder comunitária, alvejada com sete tiros.

Simultaneamente, Alex Sandro e Márcia foram presos na Rua Oscar Romero, no bairro Zumbi dos Palmares 2, também na Zona Leste. Com Márcia os policiais apreenderam uma pistola Bereta com seis munições intactas, além de uma porção média de cocaína.

Ao longo das investigações o titular da DEHS concluiu que Rosenira, por ter sido líder comunitária na Comunidade Nova Vitória, combatia o tráfico de drogas no local e isso contrariava o movimento criminoso no lugar comandado de Boa Vista por Ronaldo Maricaua e chefiado em Manaus por Alex Júlio Roque de Melo, que está desaparecido desde o último dia 29 de outubro, após abordagem efetuada por policiais militares da 4ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), no bairro Grande Vitória, Zona Leste.

“Wilson e Frank Relle são irmãos da namorada de Alex Júlio, Rita de Cássia Castro da Silva, que também está desaparecida desde o último dia 29 de outubro. As investigações em torno da morte da líder comunitária irão continuar para prender outras pessoas envolvidas no crime, que já foram identificadas e tiveram os nomes preservados para não atrapalhar o andamento dos trabalhos. Além das cinco pessoas presas, um adolescente também participou do crime”, ressaltou Martins.

Jovem desaparecido

O titular da DEHS esclareceu que durante o curso das diligências do homicídio da líder comunitária ficou comprovado, em três momentos diferentes, por meio de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça, que Alex Júlio pediu autorização a Ronaldo Maricaua para executar três policiais militares, sendo um da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam), outro que mora na área de atuação do grupo criminoso em Manaus e um aspirante, preso na última terça-feira durante operação deflagrada pela Secretaria de Segurança Pública do Estado do Amazonas (SSP-AM).

Ivo Martins ressaltou que, assim que tomou conhecimento das ameaças de morte feitas por Alex Júlio, informou aos policiais militares mencionados nas escutas e também ao comando imediato e superiores da Polícia Militar sobre a ameaça de morte contra os militares.

“É possível que isso tenha causado o desaparecimento de Alex Júlio, Rita de Cássia e de Everton Marinho no último dia 29 de outubro, no bairro Grande Vitória. Quando o corregedor geral da SSP-AM informou que a abordagem policial dos três jovens foi direcionada e não ocasional, era nesse sentido que ele estava falando, porque nós da DEHS e a Corregedoria Geral da SSP-AM já tínhamos conhecimento das ameaças de morte proferidas por Alex Júlio contra um dos aspirantes que foi preso no último dia 8”, disse Martins.

A autoridade policial revelou, ainda, que os policiais militares envolvidos no desaparecimento do trio alegaram que levaram os jovens até a 4ª Cicom para consultar a vida pregressa deles e, logo após o procedimento, os liberaram. Entretanto, Martins explicou que tudo indica que não foi isso que realmente aconteceu, em razão do histórico de ameaças que Alex Júlio havia feito a um dos policiais envolvidos na ocorrência.

“Independente de Alex Júlio ser traficante e homicida, inclusive foi ele quem efetuou os disparos que vitimou Rosenira, e isso já está comprovado, nada autoriza o desvio de conduta de qualquer policial. Não estamos, ainda, imputando qualquer tipo de responsabilidade aos policiais militares porque estamos apurando os fatos. As prisões dos 10 militares, no último dia 8, são temporárias e devem ser prorrogadas. O fato é que o Alex Júlio participa da organização criminosa envolvida com o tráfico de drogas naquela área, sob o comando de Ronaldo Maricaua ‘MK’. Todas essas outras pessoas, que estão sendo apresentadas, eram subordinadas a ‘MK’ e atuaram efetivamente na morte da líder comunitária”, pontuo Ivo Martins.

Indiciados

Os cinco presos foram indiciados pelo homicídio de Rosenira Souza e por atuarem em organização criminosa envolvida em homicídio, tráfico de drogas, roubos, adulteração de sinais de veículo automotor, dentre outros crimes. Ao término dos procedimentos cabíveis, Ronaldo Maricaua, Wilson, Frank Relle e Alex Sandro serão conduzidos ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM). Já Márcia será levada ao Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF).

Comentários